terça-feira, 20 de março de 2012

Quem está acordado em Monte Castelo?

A Intertextualidade na Música Monte Castelo de Renato Russo


Achei um texto magnífico sobre essa música. Quantas referências o Renato usou nela e de forma magistral.

Pensa: Quantas vezes já a ouvimos e não demos sequer conta de entender as frases? Todos brandamos Renato Russo como gênio e nem sequer entendemos as letras. É... Estamos em quase pemanente "transe". Estamos em piloto automático. Estamos com os ouvidos, visões, paladares, tatos e olfatos viciados e dormentes. Mas ele já sabia e cantava:

"Estou acordado e todos dormem, todos dormem, todos dormem."
----------------------------------------------------------------------

A letra:

Ainda que eu falasse
A língua dos homens
E falasse a língua dos anjos,
Sem amor eu nada seria.

É só o amor! É só o amor
Que conhece o que é verdade.
O amor é bom, não quer o mal,
Não sente inveja ou se envaidece.

O amor é o fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

Ainda que eu falasse
A língua dos homens
E falasse a língua dos anjos
Sem amor eu nada seria.

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É um não contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder.

É um estar-se preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É um ter com quem nos mata a lealdade.
Tão contrário a si é o mesmo amor.

Estou acordado e todos dormem.
Todos dormem. Todos dormem.

Agora vejo em parte,
Mas então veremos face a face.

É só o amor! É só o amor
Que conhece o que é verdade.

Ainda que eu falasse
A língua dos homens
E falasse a língua dos anjos,
Sem amor eu nada seria.

---------------------------------------

O artigo trata da conversa que o compositor Renato Russo trava em sua música “Monte Castelo”, com o famoso poema de Luís de Camões “Amor é um fogo que arde sem se ver” e com o texto bíblico “O amor é um dom supremo” escrito pelo apóstolo Paulo à Igreja de Corinto. Há ainda a alusão do título da música a uma batalha da Segunda Guerra Mundial vencida por soldados da Força Expedicionária Brasileira; batalha na qual, apesar da vitória, ocorreu uma baixa de 1000 pracinhas. A motivação em se trabalhar a intertextualidade presente nessa música veio da observação do ajustamento perfeito do tema “Amor” que o compositor conseguiu mesmo promovendo o diálogo entre obras tão distintas como o poema de Camões, que fala de um amor Eros (homem-mulher, possessivo) e a carta de Paulo, esta tratando do amor Ágape (o amor altruísta, generoso). Dessa forma, o objetivo foi encontrar na música o elemento chave que une os dois textos e seu título. Assim, foi feito o estudo dos três textos e o contexto em que foram escritos, chegando-se à afirmação de o amor ser tratado como um sentimento que se concretiza na ação; e esta sempre acarretará em alguma forma de dor nobre.


Soldados brasileiros na Batalha de Monte Castelo

Mas como todos sabemos, a verdadeira guerra está aqui dentro.








2 comentários:

Camila disse...

Esplêndido!

Charlotte Sometimes disse...

...

Postar um comentário

fala que eu te escuto: