sexta-feira, 4 de maio de 2012

Percepções sobre a mente humana – O experimento da conformidade de Solomon Asch






Todos sabemos que o ser humano segue tendências. Nós copiamos das pessoas o jeito de vestir, de andar, de falar, de comportar-se. Isso é muito acentuado na adolescência, quando a necessidade de ser aceito é mais intensa. Mas até que ponto esta tendência de ser igual nos afeta? Você acha que o ser humano é capaz de dar uma resposta errada, mesmo sabendo a correta, só para acompanhar os demais?

Na década de 50 do século passado, Solomon Asch conduziu uma série de experimentos que comprovariam a tendência humana de seguir a opinião dos outros.

O experimento

Ele fez o seguinte: foram colocadas várias pessoas em uma sala com o objetivo de fazer um teste de visão. Variações da figura abaixo eram mostradas ao grupo e, após cada uma, perguntava-se qual das linhas (A, B ou C) era igual à da esquerda. O grupo era composto de 9 pessoas, sendo que 8 eram atores, ou seja, após algumas rodadas dando a resposta correta, eles começavam a dar a mesma resposta incorreta. Eles faziam parte do jogo sem a outra pessoa saber. Metade do tempo falavam que a linha era menor e a outra metade que a linha era maior do que a apresentada. O participante cobaia era sempre o sexto a responder.

Oberservando a figura acima, obviamente percebe-se que a resposta correta é C. Você só responderia errado se estivesse sob efeito de algum alucinógeno. Perceba que não estava sendo solicitado para observar um desenho complexo ou uma situação a ser interpretada.


A descoberta

Os resultados surpreenderam até mesmo Solomon Asch:

- 50% das pessoas deram a mesma resposta, seguindo o grupo, mesmo que ele estivesse errado.
- apenas 25% das pessoas negaram a dar as respostas erradas.
- no total, a taxa de conformidade foi de 33%.

Asch entrevistou as pessoas após o experimento. Os sentimentos relatados são bem parecidos com aqueles que já você já sentiu:

* todos sentiram ansiedade, com medo da reprovação pelos demais;
* a maioria disse que sabia qual era a linha correta, mas sentia que o grupo estava correto;
* alguns disseram que seguiram o grupo para não destoarem, mesmo sabendo que o grupo estava errado;
* um pequeno número disse que estava vendo a linha do mesmo tamanho apontado pelo grupo.

Ser conformista ou não: eis a questão

Este dilema shakesperiano nos acompanha todos os dias. Tem horas que agir conforme o grupo é uma benção, em outras uma armadilha. Muito do convívio social depende deste ato natural; caso contrário, nossa existência seria impraticável. A conformidade é inerente ao ser humano e, assim como você dever estar atento a todas as suas capacidades e dons, deve estar atento a mais este também.

Cabe a cada um a decisão de como agir. Mas, para que seja adequada, é necessário autoconhecimento, autoestudo e autoobservação. Você pode até estar pensando que é um não-conformista, até achar outros não-conformistas e agir da mesma maneira que eles.

---------------------------------------------------------------

Outro dia, em papo de boteco, expus meu ponto de vista quanto a grupos, seja lá qualquer espécie. É totalmente isso mesmo. E o perigo: Tem gente que é do contra de tudo, sem embasamente nenhum, sem experimentar nada, mas o é simplesmente para causar polêmica e, acho eu, se sentir "inteligente". Olha até que ponto o negócio é enraizado: Não é raro encontrar pessoas que pensam sobre isso, que questionam e buscam e....encontram grupos com os mesmos anseios. Pronto. Mais um grupo. Esse, de pessoas que já se acham superiores aos alheios.

É impressionante e assustador perceber de quantas infinitas muletas o ser humano precisa para se manter em pé. Eis mais uma. Meio implícita, mas bem forte.



4 comentários:

Charlotte Sometimes disse...

...

Camila disse...

e a gente entra naquele papo que eu havia mencionado : querer agradar os outros.
por isso eu gosto de ser tão desagradavel..rs

Meu Mundo....??? disse...

Fato...que o ser humano segue uma tendencia, um ditador ou um grupo "forte" acho que vem da natureza do homem, o bom que temos sempre a laranja podre que no caso seria a laranja boa, para matar a sede do ignorante!

Lara Dias disse...

muito bom, adoro seu blog! virei fã da banda também, depois que vieram em Santos! uma ótima surpresa! parabéns :)

Postar um comentário

fala que eu te escuto: